refletir

refletir
o senhor te da autoridade
Censo Demográfico - 2000 - Resultados da Amostra População residente segundo as Grande Regiões a as unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Total (1) Evangélicos Porcentagem Brasil 169.872.859 26.184.942 15% Norte 12.911.170 2.550.484 20% Rondônia 1.380.952 375.483 27% Acre 557.882 113.520 17% Amazonas 2.817.252 593.551 21% Roraima 324.397 72.947 22% Pará 6.195.965 1.119.823 18% Amapá 477.032 88.559 19% Tocantins 1.157.690 186.601 16% Nordeste 47.782.448 4.903.939 10% Maranhão 5.657.552 649.970 11% Piauí 2.843.428 170.917 6% Ceará 7.431.597 612.847 8% Rio Grande do Norte 2.777.509 247.755 9% Paraíba 3.444.794 303.151 9% Pernambuco 7.929.154 1.072.503 14% Alagoas 2.827.856 254.600 9% Sergipe 1.784.829 129.797 7% Bahia 13.085.769 1.462.399 11% Sudeste 72.430.194 12.685.289 18% Minas Gerais 17.905.134 2.437.186 14% Espírito Santo 3.097.498 773.129 25% Rio de Janeiro 14.392.106 3.163.741 22% São Paulo 37.035.456 6.311.233 17% Sul 25.110.349 3.849.564 15% Paraná 9.564.643 1.590.378 17% Santa Catarina 5.357.864 802.395 17% Rio Grande do Sul 10.187.842 1.456.791 14% Centro-Oeste 11.638.658 2.195.666 19% Mato Grosso do Sul 2.078.070 378.654 18% Mato Grosso 2.505.245 418.149 17% Goiás 5.004.197 998.802 20% Distrito Federal 2.051.146 400.061 20%
Pedido de Oração Se você está em uma situação difícil, se mais nada dá certo, está desempregado, doente, tudo parece perdido, faça um pedido de oração e o estaremos colocando na Arca da Vitória. Deus está interessado em você, por isso estamos preocupados com teu bem estar. Faça agora mesmo seu pedido de oração preenchendo o furmlário abaixo e com muito prazer estaremos orando todo dia por você e sua família. Nome: Preencha o campo Nome E-mail: Preencha o campo E-mail Pedido de Oração: Preencha o campo Pedido de Oração

domingo, 25 de julho de 2010

pornocultura e gravidez precoce

Os resultados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher mostram um aumento no número de mulheres que estão iniciando a vida sexual mais cedo. O estudo, publicado em matéria do jornal O Globo, detectou que o porcentual de jovens que têm a primeira relação sexual aos 15 anos saltou de 11% para 32%. O total de adolescentes com idade entre 15 a 19 anos que se declararam virgens caiu de 67,2%, em 96, para 44,8% em 2006.

Para estudiosos, a precocidade na vida sexual é um desafio a ser enfrentado pelo governo. "É um número preocupante e que merece toda a nossa atenção", disse o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

As meninas estão também se tornando, cada vez mais, mães prematuras. O número de grávidas de 15 anos quase dobrou nos últimos dez anos: saltou de 3% para 5,8%. Segundo o estudo, 32% das mulheres de 15 a 19 anos mantiveram a primeira relação sexual com 15 anos ou menos.

O quadro, impressionante e preocupante, poderá levar, mais uma vez, aos diagnósticos superficiais e, por isso, míopes: investir mais dinheiro público em campanhas em favor do chamado "sexo seguro". A camisinha será a panacéia para conter a epidemia da gravidez precoce. Continuaremos, todos, de costas para a realidade. Sucumbiremos, outra vez, à síndrome do avestruz. Cuidaremos das conseqüências, mas contornaremos suas verdadeiras causas: a hipersexualização da sociedade e o medo de educar.

O governador de São Paulo, José Serra, quando ministro da Saúde do governo FHC, comprou uma briga com a apresentadora de TV Xuxa Meneghel. Serra, então, foi curto e grosso ao analisar as principais causas do crescimento da gravidez precoce: "É um absurdo acreditar que a criança vá ter maturidade para ter um filho com essa idade. Pregar a abstinência sexual de meninas de 11 a 14 anos não significa ser careta, mas responsável." O ex-ministro responsabilizou a programação das TVs, considerando absurdas as cenas de sexo. "Já morei em dez países e em nenhum deles vi tanta exploração de sexo", enfatizou Serra. A preocupação do então ministro, cuja trajetória pessoal e política não combina com histerias conservadoras, era compreensível e lógica. Apoiava-se, afinal, no bom senso e na força dos fatos. De lá para cá, como mostra a mais recente pesquisa demográfica, as coisas não melhoraram. Pioraram. E muito.

A culpa, no entanto, não é só da TV, que freqüentemente apresenta bons programas. É de todos nós - governantes, formadores de opinião e pais de família -, que, num exercício de anticidadania, aceitamos que o País seja definido mundo afora como o paraíso do sexo fácil, barato, descartável. É triste, para não dizer trágico, ver o Brasil ser citado como um oásis excitante para os turistas que querem satisfazer suas taras e fantasias sexuais com crianças e adolescentes. Reportagens denunciando redes de prostituição infantil, algumas promovidas com o conhecimento ou até mesmo com a participação de autoridades públicas, crescem à sombra da impunidade.

O governo, acuado com o crescimento da gravidez precoce e com o crescente descaso dos usuários da camisinha, pretende investir pesadamente nas campanhas em defesa do preservativo. A estratégia não funciona. Afinal, milhões de reais já foram gastos num inglório combate aos efeitos. O resultado está gritando na pesquisa mencionada neste artigo. A raiz do problema, independentemente da irritação que eu possa despertar em certas falanges politicamente corretas, está na onda de baixaria e vulgaridade que tomou conta do ambiente nacional. Hoje, diariamente, na televisão, nos outdoors, nas mensagens publicitárias, o sexo foi guindado à condição de produto de primeira necessidade.

Atualmente, graças ao impacto da TV, qualquer criança sabe mais sobre sexo, violência e aberrações do que qualquer adulto de um passado não tão remoto. Não é preciso ser psicólogo para que se possam prever as distorções afetivas, psíquicas e emocionais dessa perversa iniciação precoce. Com o apoio das próprias mães, fascinadas com a perspectiva de um bom cachê, inúmeras crianças estão sendo prematuramente condenadas a uma vida "adulta" e sórdida. Promovidas a modelos, e privadas da infância, elas estão se comportando, vestindo, consumindo e falando como adultos. A inocência infantil está sendo assassinada. Por isso, a multiplicação de descobertas de redes de pedofilia não deve surpreender ninguém. Trata-se, na verdade, das conseqüências criminosas da escalada de erotização infantil promovida por alguns setores do negócio do entretenimento.

As campanhas de prevenção da aids e da gravidez precoce batem de frente com novelas e programas de auditório que fazem da exaltação do sexo bizarro uma alavanca de audiência. A iniciação sexual precoce, o abuso sexual e a prostituição infantil são, de fato, o resultado da cultura da promiscuidade que está aí. Sem nenhum moralismo, creio que chegou a hora de dar nome aos bois, de repensar o setor de entretenimento e de investir em programação de qualidade.

O custo social da gravidez precoce é brutal. Repercute direto na fatura da saúde pública, despedaça a juventude, compromete a educação e desestrutura a família. A solução não está no marketing dos preservativos, mas num compromisso sério com a família e a educação.

O resgate da juventude passa pelas políticas públicas de recuperação da família e de investimentos na educação integral. Família sadia e boa educação são, em todo o mundo, a melhor receita para uma sociedade amadurecida. Trata-se de uma responsabilidade que deve ser exigida e cobrada pela sociedade e pelos eleitores. emersonluiz1969@bol.com.br, emerson1969@r7.com

PAI E MÃE RESPONSAVEL

Uma jovem professora de pré-escola me dizia que lhe causa muita tristeza ouvir repetidas vezes, de uma aluninha sua, este comentário: "Meu pai se separou da minha mãe, mas ele continua dando dinheiro para a comida."

Por que insiste nisso a pequena? Que estranha necessidade tem de valorizar tal atitude do pai, de modo a defendê-lo, justificá-lo diante dos coleguinhas e, especialmente, diante de si mesma? A menina sofre, porém não acusa o pai. Defende-o por amor. Tenta encobrir, com os argumentos que lhe ocorrem, a ausência paterna. E insiste no assunto, para que não persistam dúvidas.

Sabemos que esse exemplo não é um fato isolado. Antes, constitui hoje ocorrência muito freqüente os pais que se separam. Por isso é preciso armar-se de coragem e examinar a questão por outro ângulo: constitui hoje ocorrência muito freqüente filhos que sofrem desorientados, massacrados pelo conflito de constatarem a desunião daqueles para quem se inclinam amorosamente. Não raro, vêem-se divididos nos seus afetos, sofrendo remorsos.

Cada filho é um bem em si mesmo, por mais dificuldades que sua vinda acarrete. Está situado no ponto de encontro do amor entre o pai e a mãe, vem confirmá-lo, fortalecê-lo, aprofundá-lo. Cada filho exige dos pais um aprimoramento no exercício de se doar pelo bem de outrem, apela ao seu interior, à razão e à sensibilidade; clama por identificar neles a grandeza natural a que todo homem procura se ordenar, a imagem onde espelhar-se... E quando essa expectativa se frustra, frustra-se também boa parte de suas mais nobres aspirações.

Ninguém ignora que a convivência no lar pode ser abalada por fatores internos e circunstâncias externas, que ameaçam reduzir o amor a um jogo de egoísmo e orgulho. Mas uma arraigada convicção do valor da paternidade e da maternidade pode ser um antídoto eficaz para não sucumbir a certas solicitações, ainda que a opinião pública, nestes tempos de muita paixão e pouco amor, incentive a prevalência das fraquezas humanas sobre um ideal maior, de dignidade e honradez.

E como adquirir essa convicção? No caso da mulher, a constituição física, bem como a sua estrutura psicofísica, comportam em si a disposição natural para a maternidade. Além disso, a disponibilidade da mulher ao dom de si e ao acolhimento da nova vida completa o cenário que a predispõe para a maternidade como fato e fenômeno humanos. Uma vez concebido o filho, recai sobre a mãe o peso de lhe entregar as energias de seu corpo e de sua alma. Já se vê que a convicção do valor da maternidade tem muito mais possibilidades de se arraigar na mulher do que o da paternidade no homem. Afinal, o homem encontra-se sempre fora do processo de gestação e nascimento da criança. Deve, portanto, aprender da mãe de seus filhos a sua própria paternidade, esforçando-se por desenvolver em seu íntimo a capacidade de dar atenção à pessoa concreta do filho. Ao mesmo tempo, deve reconhecer que tem um débito especial para com a mulher, no conjunto dos fatos que os fazem genitores.

Nas últimas décadas, sob a pressão dos conflitos desencadeados pelo movimento feminista, muito se tratou do tema da maternidade. Já a paternidade não tem despertado tanta reflexão, como se fosse possível tratar os dois temas isoladamente. Não sei até que ponto essa dissociação no campo teórico pode ter contribuído para a dissociação na prática, mas o fato é que os casais chegam a acreditar que a sua separação nada tem a ver com a educação dos filhos. Como se a educação dos filhos não exigisse a dúplice contribuição dos pais, e o seu bom e amoroso relacionamento não contribuísse para a felicidade deles. E como se a separação não concorresse para a insegurança, favorecendo o desestímulo e as frustrações dessas crianças e jovens.

Cabe também destacar que - por conta de uma mal entendida realização feminina, que situou a importância profissional e social da mulher apenas fora do lar - a maternidade viu-se pressionada a reduzir-se à mera reprodução, a uma função fisiológica que não envolveria a essência feminina. Ora, essa redução da maternidade equivaleu também a reduzir a paternidade. O homem virou sêmen congelado, como já o vem apontando há algum tempo Antonieta Macciocchi, uma das intelectuais feministas de maior destaque na Europa.

Dar dinheiro para a comida, sair a passeio nos fins de semana, resolver problemas - na maioria das vezes financeiros - pelo telefone... Tudo sem tocar no nome da mãe. Cria-se com freqüência uma situação perversa: a mãe, a quem cabe geralmente a guarda dos filhos, é a figura que exige deles uma certa conduta no dia-a-dia, enquanto o pai se situa no lado do prazer, dos passeios inesquecíveis nos fins de semana. Que distância do convívio familiar global, quando pai e mãe providenciam o sustento da família, administrando os momentos de trabalho e lazer, resolvendo os problemas juntos, esquecendo-se de si para atender aos outros, relevando, superando os conflitos!

Evidentemente, as crises matrimoniais não são desencadeadas exclusivamente pelos maridos, mas, já que comemoramos o Dia dos Pais, seria muito pedir-lhes que reflitam sobre a essência da paternidade? O que deve haver para além da disposição (aliás, louvável) de levar os filhos pequenos ao colo entre a multidão que se movimenta nos shoppings? O que há para além do dinheiro que custeia as modas? Será que os filhos não observam mais nada? E, se observam, o que têm para ver? O que se lhes oferece como exemplo de firmeza de caráter, responsabilidade, persistência, honestidade, paciência, sinceridade? Sabemos que as virtudes só falam quando são vividas. Quem sabe um pouco de reflexão, boa vontade e disposição humilde de retificar ofereçam uma chance a tantos adolescentes desiludidos em conseqüência das tristezas que vivenciam no lar. Será que não vale a pena, papai? (Será que não vale a pena, mamãe?) emersonoliveira07@gmail.com ...emersonluiz1969@bol.com.br,...emerson1969@r7.com

a mobilia da alma

A alma é inquilina sem preço num corpo corruptível composto de membros guiados pelos estímulos produzidos pelo cérebro, comandado pela determinação do querer, pensar e desejar do ser humano. Somos como casas de um dono que as construiu no objetivo de desfrutar do bem por ela produzível.

Casas mobiliadas sempre serão menos procuradas, pois a mobília é costumeiramente companhia do inquilino, forçando o dono e construtor à impossibilidade de alugá-la às pessoas com bagagens e mobílias. Grande parte dos que procuram um lugar para habitar desejam impor suas características ao que não é seu.

Alguns com novas mobílias acomodam-se em qualquer lugar, sentem-se renovados com a nova casa, na euforia do novo, do distinto e inigualável. Outros trazem consigo mobílias antigas e carregam pertences desconhecidos, ocultos, como cofres, colchões empoeirados e ressecados do tempo.

Neles deitam-se, acomodam-se e nem mais são contaminados pelas bactérias que tomam os entranhados de espumas como suas moradas eternas. Acostumam-se a viver entre fungos, sem lapsos e colapsos, com a maior naturalidade. Muitos inquilinos são privilegiados pela casa alugada sem pagamento, porém carregam consigo o peso do preço já pago.

Vivem inconstâncias, definham-se nos interiores dos quartos da alma onde ninguém adentra. Carregam consigo uma mobília surrada de um passado distante, às vezes próximo, por não entenderem que o dono do lar corruptível já pagou o preço pelo direito à morada estabelecida; ao sonho da casa própria; eterna.

A casa própria constitui-se em céu, eternidade na companhia do mestre, e lá não entramos com entranhos, mobílias velhas e surradas, mas, sim, com a renovação da moldura do antigo quadro que descrevia entre pinceladas do humano autor a vida antiga. É essencial a reposição constante das lâmpadas para alumiar a visão em trevas, decaída, limitada e inquieta.

Com mobília nova nos encontraremos ao proprietário da nova vida, da água da vida, do pão matinal, da estrela da manhã e do cordeiro de Deus. Com nova mobília, roupagem, nos encontraremos na presença do bem feitor, do justo amigo e companheiro.

Mobílias antigas me fazem viver o passado; e de passado o cristianismo não se constitui. Estar em Cristo é ter uma casa nova de interior adornado pela palavra, limpa, alumiada e preparada para o Dia do Senhor. Viva, sua morada eterna já está comprada; e por um alto preço.

Suas bagagens antigas, sujas e velhas devem ser substituídas por novas; que são os conceitos bíblicos em sua casa terrena, seu corpo, que oferecido foi para que sua alma habitasse, por pouco tempo.
e-mail emerson1969@r7.com emersonoliveira07@gmail.com

valeapena servir com alegriaaDEUS

A proposta de Cristo ao homem de segui-lo é uma oportunidade que não é perdida para os que compreendem e acreditam ser Jesus o messias, o filho de Deus. A oportunidade em tomar sua cruz não faz com que passe pelas mesmas dificuldades que Cristo passou, até porque, não era merecedor, porém nós, seres humanos, pecadores e constantemente habituados ao erro, passamos por dificuldades inerentes ao ser humano.

Quando Cristo foi enviado por Deus Pai, se destituiu de sua morada eterna para experimentar as dores desta carne corruptível. Nós, homens e mulheres, não nos destituímos de nada, pois o que deixamos não é nada mediante tudo quanto Deus nos tem preparado.

Muitos dizem que deixaram muitas coisas para servir ao Senhor, mas, tudo o que foi deixado era passageiro, pequeno, frívolo e sem valor. Gabam-se achando que irão ganhar algo de Deus pelo fato de terem renunciado coisas humanas, mas o maior ganhador em servir a Cristo somos nós, os que buscam, o procuram e aqueles que o encontram.

Tudo que renunciamos, perdemos ou abandonamos em favor do evangelho não pode ser mensurado ou comparado ao que Cristo já nos preparou. Brennan Manning, no livro “Evangelho Maltrapilho”, cita que mais Cristo está interessado em te salvar do que você em ser salvo. Por quê? Por que nós facilmente pensamos em desistir do Senhor, mas Ele, mesmo em suas inconstâncias, falhas, pecados, desânimos e desobediências, não desiste de te abençoar e levá-lo para o céu.

Cristo lidava com pessoas de difícil temperamento, é por isso que Ele te entende. Também se relacionou com melancólicos, depressivos, falsos e hipócritas; e também é por isso que Ele lhe entende. Dizermos que abandonamos algo por Cristo é a maior representação de que sou um servo inteligente. Pois, olhe e veja o que seria se Jesus em ti não habitasse; certamente portador de um coração vazio e sem destino.

Porém, ao momento que encontrastes a Cristo teus olhos foram abertos, sua vida interior mudou, até porque Deus não nos chamou a prosperidade material, mas à espiritual. Tudo se fez novo, e ainda tem gente que quando se ira diz: Se você soubesse quem eu era! Isto gera no homem a verdadeira saudade do antes, do pecador sem consciência, do humano indomável. Mas quando Cristo entrou em sua vida as coisas velhas se passaram e tudo que era velho converteu-se em novo, mudado e transformado.

Tu és o maior beneficiado em servir a Cristo e, se você ainda não o serve, aproveite e aceite a proposta do Senhor. De mim mesmo te garanto, não há nada melhor na vida, do que ser amigo de Jesus

quinta-feira, 22 de julho de 2010

cientistas descobrem agora,o que a mais de2010anos a palavra de DEUS esta escrito

A galinha surgiu antes do ovo,dizem cientistas da universidade de SHEFFILD E WARWICH,no reino unido.
na pesquisa foi utilizado um super computador para visualizar de forma ampliada a formação de um ovo. a maquina ,chamada de HECTOR,indicou que a OC-17é fundamental no inicio da formação da casca.Essa proteina é quem transforma o carbonato de cálcio em cristais de calcita,que compõem a casa do ovo.DR.COLIN FREEMAN,DO DERPARTAMENTO DE ENGENHARIA MATERIAL DA UNIVERSIDADE DE SHEFFILD,constatou:"há muito tempo se suspeita que o ovo veio primeiro mas agora temos a prova cientifica de que,na verdade,a galinha foi a percussora"
a palavra de DEUS em Gênesis capitulo 1,versos21 e22 diz." E DEUS CRIOU AS GRANDES baleias,e todo o reptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas especies;e toda a ave de asas conforme a sua especie.e viu DEUS que era bom.
E DEUS os abençoou,dizendo:frutificai e multiplicai-vos,e enchei as águas nos mares:e as aves se multipliquem na terra.
aleluia,glória a DEUS, unico e verdadeiro,que vive e reina para sempre.
o que eles descobriram,só os servos do senhor sabem a tempo.
então,você pode através da palavra de DEUS,pode afirmar com certeza que a galinha nasceu primeiro,antes do ovo ...meu email emersonoliveira07@gmail.com,ou emerson1969@r7.com,ou emersonluiz1969@bol.com.br