refletir

refletir
o senhor te da autoridade
Censo Demográfico - 2000 - Resultados da Amostra População residente segundo as Grande Regiões a as unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Total (1) Evangélicos Porcentagem Brasil 169.872.859 26.184.942 15% Norte 12.911.170 2.550.484 20% Rondônia 1.380.952 375.483 27% Acre 557.882 113.520 17% Amazonas 2.817.252 593.551 21% Roraima 324.397 72.947 22% Pará 6.195.965 1.119.823 18% Amapá 477.032 88.559 19% Tocantins 1.157.690 186.601 16% Nordeste 47.782.448 4.903.939 10% Maranhão 5.657.552 649.970 11% Piauí 2.843.428 170.917 6% Ceará 7.431.597 612.847 8% Rio Grande do Norte 2.777.509 247.755 9% Paraíba 3.444.794 303.151 9% Pernambuco 7.929.154 1.072.503 14% Alagoas 2.827.856 254.600 9% Sergipe 1.784.829 129.797 7% Bahia 13.085.769 1.462.399 11% Sudeste 72.430.194 12.685.289 18% Minas Gerais 17.905.134 2.437.186 14% Espírito Santo 3.097.498 773.129 25% Rio de Janeiro 14.392.106 3.163.741 22% São Paulo 37.035.456 6.311.233 17% Sul 25.110.349 3.849.564 15% Paraná 9.564.643 1.590.378 17% Santa Catarina 5.357.864 802.395 17% Rio Grande do Sul 10.187.842 1.456.791 14% Centro-Oeste 11.638.658 2.195.666 19% Mato Grosso do Sul 2.078.070 378.654 18% Mato Grosso 2.505.245 418.149 17% Goiás 5.004.197 998.802 20% Distrito Federal 2.051.146 400.061 20%
Pedido de Oração Se você está em uma situação difícil, se mais nada dá certo, está desempregado, doente, tudo parece perdido, faça um pedido de oração e o estaremos colocando na Arca da Vitória. Deus está interessado em você, por isso estamos preocupados com teu bem estar. Faça agora mesmo seu pedido de oração preenchendo o furmlário abaixo e com muito prazer estaremos orando todo dia por você e sua família. Nome: Preencha o campo Nome E-mail: Preencha o campo E-mail Pedido de Oração: Preencha o campo Pedido de Oração

domingo, 24 de outubro de 2010

você sabe ou você sente

Você já reparou o quanto as pessoas falam dos outros?
Falam de tudo.
Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzices, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos.
Sobretudo falam do comportamento.
E falam porque supõem saber. Mas não sabem.
Porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam.
Só pode falar da dor de perder um filho, um pai que já perdeu, ou a mãe já ferida por tal amputação de vida.
Dou esse exemplo extremo porque ele ilustra melhor.
As pessoas falam da reação das outras e do comportamento delas quase sempre sem jamais terem sentido o que elas sentiram.
Mas sentir o que o outro sente não significa sentir por ele. Isso é masoquismo.
Significa perceber o que ele sente e ser suficientemente forte para ajudá-lo exatamente pela capacidade de não se contaminar com o que o machucou.
Se nos deixarmos contaminar (fecundar?) pelo sentimento que o outro está sentindo, como teremos forças para ajudá-lo?
Só quem já foi capaz de sentir os muitos sentimentos do mundo é capaz de saber algo sobre as outras pessoas e aceitá-las, com tolerância.
Sentir os muitos sentimentos do mundo não é ser uma caixa de sofrimentos.
Isso é ser infeliz.
Sentir os muitos sentimentos do mundo é abrir-se a qualquer forma de sentimento.
É analisá-los interiormente, deixar todos os sentimentos de que somos dotados fluir sem barreiras, sem medos, os maus, os bons, os pérfidos, os sórdidos, os baixos, os elevados, os mais puros, os melhores, os santos.
Só quem deixou fluir sem barreiras, medos e defesas todos os próprios sentimentos, pode sabê-los, de senti-los no próximo.
Espere florescer a árvore do próprio sentimento.
Vivendo, aceitando as podas da realidade e se possível fecundando.
A verdade é que só sabemos o que já sentimos.
Podemos intuir, perceber, atinar; podemos até, conhecer.
Mas saber jamais.
Só se sabe aquilo que já se sentiu.

o teste da nossa vida espiritual

O Lugar da Exaltação
"Jesus... levou-os sós, à parte, a um alto monte", Marc.9.2.
Todos nós já tivemos momentos de exaltação no monte quando vimos as coisas do ponto de vista de Deus e logo desejamos permanecer por lá mesmo; mas, Deus nunca permite que permaneçamos ali. O teste de nossa vida espiritual é a capacidade de descermos; se tivermos poder só para subir, alguma coisa está errada conosco. É maravilhoso estar com Deus no monte, mas, só vamos até lá para que depois possamos descer até onde estão os endemoninhados para os erguer, Marc.9:14-18. Não fomos feitos para viver de montanhas, auroras e outras belezas desta vida - tudo isso serve apenas como momentos de inspiração. Somos feitos para o vale, para as situações comuns da vida e será ali que temos de provar o quanto valemos para Deus. O egoísmo espiritual deseja quase sempre poder viver e reviver os momentos passados no monte. Achamos que, se pudéssemos permanecer no monte, poderíamos falar e viver como anjos no céu. Os momentos de exaltação são excepcionais; eles têm a sua importância em nossa vida com Deus, mas, precisamos ter cuidado para que, em nosso egoísmo espiritual, não queiramos ficar apenas com esses momentos e negligenciarmos tudo o resto.
Tendemos a pensar que tudo o que nos acontece deve ser transformado em algo proveitoso; mas, deve ser transformado em algo melhor do que ensino e aproveitamento - num sublime caráter. O monte não tem por objetivo ensinar-nos coisas; o objetivo dele é fazer algo de nós. Há um grande perigo na pergunta: para que serve isto? Em questões espirituais, nunca podemos avaliar as coisas a partir desse critério sobre as coisas. Os momentos vividos no alto do monte são raros, é um facto, mas, o sublime objectivo deles tem sempre algo a ver com o sublime propósito de Deus.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

é licito mas não meconvém

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas me convêm: todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas”. I Coríntios cap. 06 vs 12

Nos versículos anteriores ao verso 12, Paulo exorta à igreja deixando claro o que leva uma pessoa a não herdar o reino de Deus: devassos, adúlteros, sodomitas, ladrões, avarentos, bêbados, maldizentes (ou seja, quem fofoca, e quem fala o que não é!), nem os roubadores herdarão o reino dos céus.

Lícito significa legal, ou seja, o que pode ser feito. A justiça tem seu código penal, tanto para a reprimenda, quanto para a soltura. O código me dá o poder para ser livre ou preso. Assim é a palavra de Deus, me apresenta o que posso e não posso fazer. Mas, nem tudo que me é licito é legal, no sentido de legalidade. Paulo explicava a todos que ali estavam, que a liberdade constituída ao homem antes mesmo de terem comido o fruto da árvore proibida do jardim do Éden, os tornaram capazes de escolher, tanto que Deus determinou a Adão que nominasse a cada animal de sua criação.

Em meu ver, Paulo estava colocando os ouvintes a pensar, pois muitos agiam de maneira ilícita, como se estivessem agindo de maneira lícita, mas isso é possível? Sim. Um exemplo nos é dado através de algumas profissões. O código penal diz que o profissional da psicologia é obrigado por lei a denunciar seu paciente criminoso; desde que ele confesse. Já o artigo 21º do código de ética do profissional psicólogo, assegura ao criminoso sigilo sobre seus atos, ou seja, o psicólogo não pode denunciá-lo, pois o criminoso confiou nele por ser um profissional- (este código deveria fazer parte do evangelho, pois muitos líderes, irmãos e “conselheiros” ouvem casos de pessoas e fazem do caso fato, e do fato notícia)

Muitos viviam de maneira ilícita, mas suas convicções os asseguravam-lhes de que estavam agindo de maneira legal. Outro caso que Paulo nos ensina é sobre a prática da ética, que é o que quero, devo e posso. Há uma observação interessante que podemos fazer: nem tudo que quero eu posso, nem tudo que posso eu devo, nem tudo que devo posso. Você pode querer comprar um carro, mas não tem condições, então você não deve comprar. Era isso que Paulo ensinava, que eles podiam, tinham liberdade para fazer todas as coisas, mas nem todas eram legais, corretas.

Esta é a grande problemática da vida cristã, muitos ainda não compreenderam que a palavra chave para que sua comunhão com Deus seja permanente é: obedecê-lo. Se Deus nos disse que não devemos fazer, não façamos. Se você está planejando algo, talvez aos teus olhos seja algo lícito, mas aos olhos do Senhor não convém.

Se tiveres vivendo de maneira ilícita, não estou aqui pra lhe recriminar, primeiro por não ter poder para tanto, segundo que não cabe a mim, mas uma coisa posso - lhe mostrar a verdade através da palavra. O fato de viver de maneira lícita, segundo as escrituras, me assegura o meu lar celestial, onde não há aluguel, como já dito no texto que está contido neste mesmo site (A surrada mobília da alma), pois nossa morada já foi comprada, contudo o Senhor nos oferece gratuitamente.

Então, tudo que é licito convém?

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

homilética

HOMILÉTICA (Introdução)
HOMILÉTICA
Introdução ao estudo
Da Arte de preparer e pregar sermões

(Pastor Marcos Antonio da Silva)

.Matéria ministrada no Seminário Teológico Shema
da Assembly of God em Hyannis, MA - U.S.A.

_______________________________________________


1. QUAL O SIGNIFICADO DA PALAVRA HOMILÉTICA ...

• (Todos alunos recitam – a definição da Apostila....)

• HOMILOS – multidão, assembléia do povo

• HOMILEU – que é o verbo conversar

• HOMILIA – pequeno discurso

• HOMILETIKE – ensino em tom familiar


2. Por que a pregação era desde o princípio da Igreja em tom familiar...HOMILETIKE...

• Resposta: Os cultos eram nas casas. Soma-se ao fato de muitas vezes – a Igreja se reunir as escondidas devido as grandes perseguições.

• Os moldes de ensino e pregação daqueles dias eram muito diferentes de hoje.

• Quando a Igreja começou a proclamar a Palavra de Deus publicamente – sentiu-se a necessidade por parte dos líderes da Igreja – de se desenvolver o que chamamos de HOMILÉTICA SACRA.


3. QUAIS OS TRES ELEMENTOS QUE FORMAM A HOMILÉTICA SACRA...


• 1ª.) ORATÓRIA
• 2ª.) ELOQUENCIA
• 3ª.) RETÓRICA

1ª.) ORATÓRIA - que é a arte de falar em público
-Existem 5 formas conhecidas:
- A Oratória Academica – nos círculos academicos e universitários
- A Oratória Forense – nas corte e tribunais
- A Oratória Política – nos discursos que tratam assuntos do Estado e do Povo
- A Oratória Popular (desprovida de método que acontece nas ruas, festejos, e nos protestos sociais
- A Oratória Religiosa ou Sagrada – Que busca divulgar a Religião e a Fé através da pregação.

John Broadus: “ A PREGAÇÃO É A CARACTERÍSTICA DO CRISTIANISMO”


2ª.) ELOQUENCIA

- É a capacidade adquirida ou aptidão natural do homem para persuadir, aperfeiçoada ou não pela arte.

- O pregador não deve confundir eloquencia com emoção. Ele deve saber controlar suas emoções, sem porém neutralizá-las.

- Na pregação – a Eloquencia é de grande valor. A Eloquencia não se manifesta apenas pelas palavras, mas também pelo olhar, gestos, postura do pregador

- Eloquencia está interligado com o propósito de persuadir

- Eloquencia é uma palavra derivada do Latim: ELOQUENTIA – que signigica ELEGANCIA NO FALAR.
Obs: - Sobre isto – Convém que se diga que ser um pregador eloquente – não significa:

.Ser um pregador mal educado

.Ser um pregador desreipeitoso

-Ser um pregador gritador

3ª.) RETÓRICA

- Conjunto de Regras relativas a eloquencia; a arte de falar bem.

- A Retórica é conjunto de regras que aprimora a Eloquencia e dá a pregação uma forma primorosa.

- Definição do pastor Elienai Cabral: “ Retórica é o estudo teórico e prático das regras que desenvolvem e aperfeiçoam o talento natural da palavra.

- É possivel um pregador ter boa retórica – e não ter Eloquencia


Observação Importante: QUATRO ELEMENTOS QUE DEVEM SER CLARAMENTE ENTENDIDOS PELOS PREGADORES:

1º.) O TALENTO, A VOCAÇÃO.........................que vem de Deus

2º.) O CONHECIMENTO ADQUIRIDO.......pelo estudo, pesquisa

3º.) A HABILIDADE.......que é a soma do Talento, Dom com o Conhecimento adquirido

4º.) A UNÇÃO DO ESPÍRITO



• ELOCUÇÃO -
1. Boa e elegante enunciação de pensamentos pela palavra.
2. Maneira de se exprimir


• DOIS FATORES QUE DETERMINAM UMA BOA PREGAÇÃO, OU DISCURSO: A VOZ DO ORADOR E SEU VOCABULÁRIO

1º.) PROBLEMAS DA VOZ

A) GAGUEZ ou GAGUEIRA – que se define pela dificuldade de articular as palavras

B) TARTAREIO – que se define em pronunciar as palavras de forma incompleta: tartamudear.

- Imagine um pregador que não pronuncia completamente as palavras (A compreensão fica difícil)

B) BALBUCIENCIA –
- Ela se caracteriza pela morosidade, lentidão em transmitir a mensagem.
Então, o pregador ou orador fica balbuciando. Ele começa a engolir saliva, pigarrear e exprimir-se de forma confusa.

2º.) TIPOS DE PREGADORES COM RELAÇÃO A PROBLEMAS NA VOZ:

A) O PREGADOR RESMUNGADOR
- É aquele cuja voz parece estar enjaulada, porque fala com os lábios fechados ou com os dentes cerrados, dificultando o entendimento das palavras.

B) O PREGADOR GRITADOR
- É o oposto do resmungador. Prega pela garganta. Este tipo de pregador está fadado a perder logo a voz

C) O PREGADOR CANTAROLADOR
- É aquele pregador que a voz é como uma música desafinada.

D) O PREGADOR MONÓTONO
- mono: um - tono: tom
- É o pregador cuja voz só tem uma tonalidade, que normalmente provoca sonolencia no auditório.

E) O PREGADOR DE VOZ DUPLA OU TRIPLA
- Ele no decorrer do discurso vai mudando a tonalidade da voz. Começa no grave...vai pro agudo...

F) O PREGADOR ROUCO
– Um irmão certa vez ao ouvir um pregador desse tipo, disse: Vamos arrumar um Xarope pra este homem!”

G) O PREGADOR PIGARREADOR
- Este tipo de pregador, toda veZ que vai falar precisa, limpar a garganta. Pode ser um tique nervoso...

H) O PREGADOR FANHOSO
- Dá a impressão que ele está se expressando pelas narinas
.......................................................................................

COMPARTILHO AGORA A TÍTULO DE ILUSTRAÇÃO
ALGUMAS MODALIDADE DE PREGADORES AO GOSTO DO PÚBLICO GOSPEL DE NOSSO TEMPO – (da preciosa pena do caro
Pastor Ciro Sanches Zibordi)



• Pregador humorista.
Diverte muito o seu público-alvo. Tem habilidade para contar fatos anedóticos (ou piadas mesmo) e fazer imitações. Ele é como o famoso humorista do gênero stand-up comedy Chris Rock (que aparece na imagem acima). De vez em quando cita versículos. Mas os seus admiradores não estão interessados em ouvir citações bíblicas. Isso, para eles, é secundário.

• Pregador “de vigília”.
Também é conhecido como pregador do reteté. Aparenta ter muita espiritualidade, mas em geral não gosta da Bíblia, principalmente por causa de 1 Coríntios 14, especialmente os versículos 37 e 40: “Se alguém cuida ser espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor... faça-se tudo decentemente e com ordem”. Quando ele vê alguém manejando bem a Palavra da verdade (2 Tm 2.15), considera-o frio e sem unção. Ignora que o expoente que agrada a Deus precisa crescer na graça e no conhecimento (2 Pe 3.18; Jo 1.14; Mt 22.29). Seu público parece embriagado e é capaz de fazer tudo o que ele mandar.

• Pregador “de congresso”.
Entre aspas porque existe o pregador de congresso que faz jus ao título. Mas o pregador “de congresso” (note: entre aspas) anda de mãos dadas com o pregador “de vigília”, mas é mais famoso. Segundo os admiradores dessa modalidade, trata-se do pregador que tem presença de palco e muita “unção”. Também conhecido como pregador malabarista ou animador de auditórios, fica o tempo todo mandando o seu público repetir isso e aquilo, apertar a mão do irmão ao lado, beliscá-lo... Se for preciso, gira o paletó sobre a cabeça, joga-o no chão, esgoela-se, sopra o microfone, emite sons de metralhadora, faz gestos que lembram golpes de artes marciais... Exposição bíblica que é bom... quase nada!

• Pregador de congresso agressivo.
É aquele que tem as mesmas características do pregador acima, mas com uma “qualidade” a mais. Quando percebe que há no púlpito alguém que não repete os seus bordões, passa a atacá-lo indiretamente. Suas principais provocações são: “Tem obreiro com cara de delegado”, “Hoje a sua máscara vai cair, fariseu”, “Você tem cara amarrada, mas você é minoria”. Estas frases levam o seu fanático público ao delírio, e ele se satisfaz em humilhar as pessoas que não concordam com a sua postura espalhafatosa.

Pregador popstar.
Seu pregador-modelo é o show-man, e não o Senhor Jesus. É um tipo de pregador admirado por milhares de pessoas. Já superou o pregador de congresso. É um verdadeiro artista. Veste-se como um astro; sua roupa é reluzente. Ele, em si, chama mais a atenção que a sua pregação. É hábil em fazer o seu público a abrir a carteira. Seus admiradores, verdadeiros fãs, são capazes de dar a vida pelo seu pregador-ídolo. Eles não se importam com as heresias e modismos dele. Trata-se de um público que supervaloriza o carisma, em detrimento do caráter.


Pregador contador de histórias.
Conta histórias como ninguém, mas não respeita as narrativas bíblicas, acrescentando-lhes pormenores que comprometem a sã doutrina. Costuma contextualizar o texto sagrado ao extremo. Ouvi certa vez um famoso pregador dizendo: “Absalão, com os seus longos cabelos, montou na sua motoca e vruuum...” Seu público — diferentemente dos bereanos, que examinavam “cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim” (At 17.11) — recebe de bom grado histórias extrabíblicas e antibíblicas.

Pregador cantante.
Indeciso quanto à sua chamada. Costuma cantar dois ou três hinos (hinos?) antes da pregação e outro no meio dela. Ao final, canta mais um. Seu público gosta dessa “versatilidade” e comemora: “Esse irmão é uma bênção! Prega e canta”. Na verdade, ele não faz nenhuma das duas coisas bem.

Pregador massagista.
É hábil em dizer palavras que massageiam os egos e agradam os ouvidos (2 Tm 4.1-5). Procura agradar a todos porque a sua principal motivação é o dinheiro. Ele não tem outra mensagem, a não ser “vitória”, principalmente a financeira. Talvez seja o tipo de pregador com maior público, ao lado dos pregadores humorista, popstar.

Pregador sem graça.
É aquele que não tem a graça de Deus (At 4.33). Sua pregação tem bastante conteúdo, mas é como uma espada: comprida e chata (maçante, enfadonha). Mas até esse tipo de pregador tem o seu público, formado pelos irmãos que gostam de dormir ou conversar durante a pregação.

Pregador chamado por Deus (1 Tm 2.7).
Prega a Palavra de Deus com verdade. Estuda a Bíblia diariamente. Ora. Jejua. É verdadeiramente espiritual. Tem compromisso com o Deus da Palavra e com a Palavra de Deus. Seu paradigma é o Senhor Jesus Cristo, o maior pregador que já andou na terra. Ele não prega para agradar ou agredir pessoas, e sim para cumprir o seu chamado. Seu público — que não é a maioria, posto que são poucos os fiéis (Sl 12.1; 101.6) — sabe que ele é um profeta de Deus. Esse tipo de pregador está em falta em nossos dias, mas não chama muito a atenção das agências de pregadores. A bem da verdade, estas também sabem que nunca poderão contar com ele...

Qual é a sua modalidade preferida, prezado leitor? Você pertence a qual público? E você, pregador, qual dos perfis apresentados mais lhe agrada?

o banquete da palavra

Jo 21:9-13

• A experiencia vivida por Pedro, Tomé, Natanael, Tiago e João e mais dois discípulos na praia do Mar da Galiléia, revela-nos que:

Primeiro: Quando os nossos recursos se esgotam – cria-se o momento para Deus agir com poder e milagres...(pesca milagrosa, rede cheia)

Segundo: Que a manhã da benção coloca um ponto final na noite da dor, de lágrimas e sofrimento – Jo 21:3,4...............Sl 30:5

Terceiro: Que o Senhor preparou um Banquete para os seus filhos.

Chamo a sua preciosa atenção para algumas preciosas lições sobre o Banquete que Jesus serviu para os seus naquele memorável dia – que nos leva ao seguinte tema:
O BANQUETE DA PALAVRA.
Vamos a primeira lição:

1. O BANQUETE DA PALAVRA FOI PREPARADO PELO SENHOR

• Davi fala de sua alegria em participar do Banquete preparado pelo Senhor – “Preparas uma mesa mesa perante mim...” (Sl 23:5)
• Cantares 2:4, nos diz que é Ele que nos leva a sala do Banquete
• O convite não é feito por qualquer um – Mas, feito por Jesus Cristo. Aqui está a grande diferença. O convite é precioso e nobre – Vem dos lábios santos de Nosso Amado Salvador Jesus. Que lindo saber:
Que Cristo já nos preparou um manjar que nos comprou, e agora nos convida a cear. Com celestial maná, que de graça Deus te dá, vem faminto tua alma saciar. Vem cear o Mestre chama vem cear – mesmo hoje tu te podes saciar. Poucos pães multiplicou, água em vinho transformou, vem faminto a Jesus, Vem cear.


2. O BANQUETE JÁ ESTÁ PRONTO

• Quando Pedro e os demais que estavam com ele chegaram junto de Jesus na praia, tudo já estava pronto...Nada por fazer...O Senhor já tinha preparado tudo...A ceia estava pronta...Comida quentinha, prato delicioso...
• Na famosa parábola das Bodas, quando o convite foi enviado, o mesmo dizia: “Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto, vinde as bodas.” (Mt 22:4)
• Tudo o que precisamos para nossa edificação espiritual, instrução, consolo, conforto, inspiração, etc... Nós encontramos no Banquete da Palavra. Nada falta, o manjar é completo (2 Tm 3:16) (Jr 15:16)
• Crentes e até pregadores que não se contentam somente com Bíblia, correm sempre atrás da última novidade de modismo teológico. Lamentavelmente a Palavra de Deus não lhes é suficiente, buscam falsos recursos que nada trazem de crescimento espiritual.
• Voltemos ao Banquete da Palavra, onde nossa alma é alimentada e onde somos plenamente satisfeitos – (Mt 4:4) (Sl 119:103)

3. O BANQUETE DA PALAVRA POSSUI FOGO

• O texto bíblico em foco: João 21:9 – nos informa a respeito da presença do fogo no Banquete preparado por Jesus
• Pregadores, não esqueçam que o Banquete da Palavra tem fogo – (Jr 23:29) (Lc 24:32)
• Como pregadores não podemos dar ao povo tres tipos de comida:
a) comida seca – que não tem o óleo do Espírito
b) comida velha – que não tem o poder da renovação do Espírito
c) comida fria – que não tem o fogo do Espírito


4. O BANQUETE DA PALAVRA TEM PEIXE E PÃO

• Vez por outra sou indagado por irmãos a respeito de como saber quando um avivamento é verdadeiro em uma igreja. Principalmente respondo aos mais afoitos, quando estes me dizem: - Pastor, lá em tal lugar tem muito fogo...a gente pisa na brasa pra lá e pra cá...
• Sempre tenho respondido da seguinte maneira: - “Meu irmão, dá uma olhada, se sobre as “brasas” tem peixe e pão...
• Muita gente se engana redondamente a respeito – imaginam que avivamento só traz fogo e brasas.
• O verdadeiro Avivamento, é bíblico – que traz sempre sobre as brasas: peixe e pão – “Logo que saltaram em terra, viram ali brasas, e um peixe em cima, e pão.” (Jo 21:9)